Reduza a gordura Através do Seu Signo

5 Alimentos Que Ajudam A Desinchar A Barriga


O glúten é uma proteína difícil de digerir e está presente no trigo, no centeio, pela cevada e, em menor quantidade, na aveia. Até recentemente, deixar de consumi-lo era obrigatório somente para celíacos, portadores de uma doença autoimune desencadeada pelo glúten que interfere intensamente na absorção de nutrientes pelo corpo. No entanto, nos últimos anos, não são poucos os médicos e nutricionistas que vêm sugerindo a retirada dessa proteína do cardápio em dietas para a redução de gordura.


Sabe-se hoje que o organismo não consegue quebrar o glúten. Ok, deste modo ele seria simplesmente eliminado pelas fezes sem causar dificuldades, correto? Errado”, observa a nutricionista Gisela Savioli, de São Paulo, autora de Tudo Posso, Todavia Nem ao menos Tudo Me Convém (Edições Loyola). Estudos novas evidenciam que o glúten colabora a permeabilidade intestinal, deixando que fragmentos não digeridos desta proteína passem para a corrente sanguínea. Existem muitos paradoxos pela questão do glúten. Por um lado, nenhum alimento consumido assim como este foi entregue pela natureza contém essa proteína, que se revela no processo de industrialização do trigo e faz o cereal render mais.


É o glúten que faz a massa crescer e continuar fofa”, explica Gisela. Por outro, nunca se consumiu em tão alto grau glúten como hoje em dia. Por este quadro de desequilíbrio alimentar, a dieta elaborada por Gisela Savioli fornece sabe o quê? Comida (muita comida!): cerca de 1200 calorias diárias de arroz, feijão, carne, frango, peixe, verduras e massas sem glúten. Você eventualmente vai espiar o cardápio e meditar: não consigo comer tudo isto. Contudo vale fazer o teste por uma semana e observar as reações do teu organismo. É bem possível que se sinta menos estufada, mais alerta (o corpo humano gasta muita energia na tentativa de quebrar o glúten, energia essa que deixa de ir para o cérebro!) e apresente uma deslumbrante perda de medidas. Quem sabe até descubra que se sente melhor sem essa proteína.


Nos dias de hoje, estima-se que cerca de 35 por cento da população mundial tem alguma sensibilidade ao glúten. Alguns pesquisadores falam até em 60%”, confessa Denise Carreiro. Porém, com exceção dos celíacos, ninguém deve riscar o glúten da dieta para sempre. Controlar a quantidade é suficiente. Ao transportar de volta essa substância ao cardápio, é respeitável equilibrar melhor o que se come. Apagar o glúten não é uma dieta da moda: é a prosperidade do conhecimento”, enfatiza Denise. A nutricionista Gisela Savioli sugere opções de refeições intercambiáveis para que você possa combiná-las a seu gosto com a garantia de continuar a todo o momento perto das 1200 calorias.


Siga o cardápio por 10 dias e depois retorne gradualmente a consumir alimentos com glúten até começar uma quantidade menor que a tradicional para manter a perda de peso e um melhor equilíbrio alimentar. No decorrer do dia, beba 1 litro de água. O restante de líquido pode vir dos alimentos, daí a credibilidade dos legumes, das verduras e das frutas”, diz Gisela. O cardápio bem como prioriza alimentos funcionais (orgânicos, sempre que possível) pra que o recurso de desinflamação aconteça por completo. Pela mesma razão, a nutricionista sugere trocar o leite de vaca pelo de ovelha e o queijo comum pelo de búfala. A biomassa de banana verde é alternativo, porém você tem ótimos motivos para experimentar (visualize a receita abaixo).


Nem ao menos todos os nutricionistas gostam da ideia de arredar o glúten do cardápio. No final de 2011, o Conselho Regional de Nutricionistas da 3ª Região (CRN-três) ponderou que essa prática havia se disseminado de modo indiscriminada. Lançou, assim sendo, um parecer técnico orientando seus profissionais a amparar a capacidade somente em estabelecidos casos, como doença celíaca e diagnóstico clínico de sensibilidade ao glúten, que só caberia ao médico. A dieta que Legal Maneira sugere atende a essa inevitabilidade e tem o aval do cardiologista Roque Marcos Savioli, médico supervisor da Divisão Clínica do Instituto do Coração (Incor), do Hospital das Clínicas da Universidade de Medicina da USP. Além disso, propõe que você siga o cardápio por somente 10 dias. Esse cardápio de 1200 calorias tem pão e até macarrão (sem glúten, claro!).Dados e outras informações sobre o que estou citando por esse post pode ser localizados nas outras páginas de credibilidade como essa de http://chicagoeveningpost.com/pr/colastrina-the-botox-in-capsules-that-helps-rejuvenate-skin/ .




apenas clique na seguinte página da web

Desincha, desinflama e emagrece três quilos (ou mais!) em 10 dias. Opção um: Suco verde: 4 folhas de couve e dois maçãs pequenas com casca passadas na centrífuga (se usar o liquidificador, acrescente um tanto de água) e batidas com um col. Opção 2: Suco verde: 4 folhas de couve, 2 cenouras com casca passadas pela centrífuga (se utilizar o liquidificador, acrescente um tanto de água) e batidas com um col. Opção 3: Suco verde: 2 folhas de couve batidas com um kiwi, 1 maçã verde com casca, 1 pepino com casca, um copo (duzentos ml) de água de coco e 1 col.


Opção 4: Suco verde: Dois folhas de couve batidas com um pepino com casca, um pedaço (dois cm) de gengibre, 1 copo (duzentos ml) de água de coco e um col. Opção cinco: Suco verde: Dois folhas de couve batidas com 1 fatia de abacaxi, 1 pedaço (2 cm) de gengibre, 1 punhado de hortelã, 1 copo (duzentos ml) de água e 1 col. Opção um: Um fatia de melão com um col. Opção um: Quatro col. Opção 2: Um prato (sobremesa) de salada de alface crespa, rúcula e rabanete ralado temperada com um col. Opção três: Um prato (sobremesa) de salada de alface, escarola, agrião e cenoura ralada temperada com 1 col. Opção quatro: Um prato (sobremesa) de salada de manjericão fresco e tomate picado sem sementes temperada com 1 col. Opção cinco: 1 prato (sobremesa) de salada de alface americana, rúcula, tomate-cereja e pepino temperada com 1 col.



Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *